28 julho 2011

Enough is enough


Asmodeu: Bad news.
El-Berit: Go ahead.
Asmodeu: Your wife just died.
El-Berit: ?
did you mean good news?

25 julho 2011

Ad Lib


Com as unhas rasga-se a pele, perfuram-se os ossos e a força dos punhos abre o tórax. Viaja-se pelas veias, consome-se o ar dos pulmões e as minhas entranhas são tuas. O coração grita e canta-se-me sorrisos que se explodem, projetados até à pele. Rango os dentes e rujo aquecido pela minha juba de leão e, do alto do monte, vejo a tua miragem e espero saber calcular de onde vem essa projecção. Quando te vir, abro a minha cauda de pavão e rujo-te para mostrar quem é que manda na Selva. E espero que numa tomada de mansidão, te deites de costas para o acasalamento assinalar as matilhas e as manadas e os cardumes nossos, que correm diante do nosso peito.
Para que eles saibam que nós vivemos, e para nós sabermos por que rugimos.

17 julho 2011

Mãe e Irmãos,


E o rés do chão é um bar muito soft, onde se conhece amigos que afinal são só conhecidos, mas safam-nos de umas.
Gostava de dizer que o dinheiro que investi está a dar lucros. Mas não está. Tive de vender o carro que vocês me deram; ainda não descobri maneira de fazer o dinheiro crescer gradualmente como se estivesse a construir uma carreira, mas na verdade fazendo pouco ou nada.
Por agora, espero pela oportunidade. Desenho esquemas, invento estrofes, pondero profissões e vou tirar um curso. Daqueles que têm muita procura.
Descobri o surf e estou a beber vinho. Eu falo com ele e ele fala comigo. E depois alucino, porque tudo o que faço depois dos nossos diálogos é algo que não desejo lembrar.

13 julho 2011

Sin City


Como é para ti viver na condição de criado?
Não teres título nem cognome, privilégio leviano ou trovador boémio e carência de face grega e mente digna de livros célebres? Palácios onde se pode sonhar, com torres laterais que industrializam desejos a feitos - esticas o braço e estão à distância das estrelas.
E os jovens príncipes da corte sorriem-te inocentemente, assegurando-te aprovação da tua obediência. Sem saberem que poderias matar para ser um deles.

09 julho 2011

Furos datados


Acabou de me dizer que está a Bola fora de validade. Cara de pau: perguntou-me se não viviam meus pais Abraão, Jacob e Isaac mais que eu. Centenas de anos, respondi-lhe. E não tinham os dois primogénitos podido viver para sempre? Disse-lhe que sim.
Pois o tempo hoje diminui-se para vós, diz-me. Foi erro meu, o Universo tem defeito de fabrico.
Fiquei parvo.

08 julho 2011

06 julho 2011

Almofadas babadas


É na cama que me apaixono por ti.
Peço-te e fazes-me a vontade. Lês um livro e coças-me as costas com a mão esquerda, com as tuas unhas bem limadas. Exploras-me a pele por inteiro, as unhas passam pelos poros com carícias e aquilo torna-se uma diversão. Para ti. Para mim é uma história de embalar.
Já te conheço a mão de cor, temos diálogos sensoriais bastante fluentes nestas últimas horas. É um transe ter a tua mão nas minhas costas nuas, e senti-lo na cabeça. Arrepios, no lobo parietal direito. E mesmo quando me tiras as borbulhas sebentas das costas, é saboroso.
É estender-me ao largo na tua cama e deixar que reines sobre o meu corpo.